Atitude do Pensar

Atitude do Pensar

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Quimeras

Quero descansar em seus olhos, sabendo-o não miragem, mas a força de um abrigo. Quero a poesia que nasce do seu sorriso. A companhia em estrada de tijolos amarelos nascidas de sonhos.

Quero pescar estrelas à noite que precede seus abraços. O cheiro de montanhas iluminadas pela vida que transborda em manhã de domingo. Quero o tempo em forma de encontro, e o forte sabor de um café em noite de sexta. Quero músicas de nossos risos. Lágrimas que surgem destes, por não caberem em nossos lábios e ultrapassarem nossos corpos e alma. É este querer em formato de contínua esperança. De espera acompanhada por canções que trazem seu corpo alojado em minha pele. Quero a certeza de ser cativada sem ser acorrentada. A liberdade de te amar. E o esforço de ainda pensá-lo, querendo-o. Quero a solidão que chama teu nome. A saudade que avista o céu do por do sol. E a contemplação do nascer de um novo dia. Quero tudo isso por inúmeras vezes. E não desistir por ainda não ser capaz de tê-lo. Quero a chuva de agosto para molhar meus pés e lavar minha alma. O céu que surgiu ao colocar-me de pé. A poesia construida por mais este dia. Quero querer-me sempre. E não despedir-me nunca.

[quimeras nascidas em uma manhã de domingo]

[Hoje na companhia dela]

14 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. O querer, trazer para si.
    Diluir a poesia.
    beber ate romper toda a sede.

    linda vc..

    .K.

    ResponderExcluir
  3. Lindo quereres e quimeras...beijos,tudo de bom, linda semana!chica

    ResponderExcluir
  4. Amiga Keila, teu poema é lindo, lindo, lindo!
    Um grande abraço. Desejo-te um lindo dia.

    ResponderExcluir
  5. Linda forma de (se) dizer. Gosto tanto de vir aqui, me faz sentir tão intensamente! E que lindas imagens! Bjs

    ResponderExcluir
  6. Que forma linda de se expressar, de expressar o seu desejo e querer. Muito encantador.
    Quero chuvas de agosto também, ouvir o barulhinho bom tocando os ouvidos.

    Bisous ;**

    ResponderExcluir
  7. Cheguei aqui através de um comentário seu no Cartas sem selo.
    E adorei seu texto, tão leve, tão reflexivo e tão profundo. Atualmente, nos falta essa leveza no caminhar e no querer.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Adorei o texto e sai escrevendo algumas linhas. Era um comentário mas vai virar um post. rs

    bacio

    ResponderExcluir
  9. Roderick, o dia/noite foi tão bom, que merecia palavras para expressá-los.

    André, trazer para si sem se perder, sem prender, rompendo o tempo e o espaço. Saciando-se.

    Chica!!! Daqui são tantos os quereres!

    Valeu, Marcelo!

    Dilmar, muito obrigada.

    Lu, tenho uma amiga que diz haver muita sensibilidade em mim. Por esse motivo ela tem receios quando fico triste, mas o contrário (ser feliz na sensibilidade) faz valer a pena...

    Pagung, mais que querer, precisar! XD

    Oi, Letícia. Já te disse e repito: seja bem vinda. A leveza surgiu há tanto tempo que habita em minha células, mas o peso resiste.

    Ah, Lu, agora fiquei curiosa...

    ResponderExcluir
  10. Uauuu...
    Depois de um texto bem escrito e no final uma música suave e com toques doces, fiquei até sem saber o que falar!!

    rs!!!

    Belo!

    Beijos

    ResponderExcluir