Atitude do Pensar

Atitude do Pensar

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

As 4 estações

Há certos instantes em que tenho a sensação de presenciar todas as estações no decorrer de um dia... São dias como hoje, escutando as 4 estações de Legião Urbana...

07:00 da manhã de uma simples segunda-feira, o calendário informa que estamos no inverno. Porém, o ontem cantava acerca das flores e do reinado do sol. Mas o dia de hoje possui cor de saudade, e o frio que corta minha pele traz um rosto ainda desconhecido, uma voz que encontra-se distante e um abraço desejado. Será apenas um mero sonho de inverno?
Não sei, mas há tempos anseio por encontrar refrigério e proteção no poço de água limpa que habita em teu colo. Contudo, é sonho. E nas noites desse inverno durmo embalada ao som que vem lá de fora, que contrasta com essa quimera; maior do que o tamanho do meu peito. Vou dormir, é só o vento lá fora aquietando-me aqui dentro...

12:00 desta segunda-feira, entre mordidas e mastigadas observo o céu, explique-me: Por que ele está tão azul? São nuances de mistérios que alteram meus sentidos, comandando nosso duplo renascer. Discretamente, percebo que o sol bate à janela do teu quarto, revelando flores e sons. Tudo novo. Uma primavera em festa. Sei que ainda tudo é dor, entretanto, este é o tempo de recomeçar, colher flores das sementes que plantamos... Qual foi a semente que você plantou? Arco-íris? Sorvete? Algodão doce? Bolhas de sabão? Não? Ah, sim, balões... Então vamos segui-los até as nuvens, para contemplar o campo de girassóis sonhados nessa estação...

Vejo o sol iniciar sua despedida às 17:00 desta segunda-feira. Volta aqui. Num dia de verão. Não tenha medo, não quero transformar esperança em maldição. Muito menos estupidez em recompensa. Saiba, que estou do lado do bem. Estou do seu lado. Hoje, o sol brilhou e sorriu para nós. Chove lá fora... A melodia que nasce convida-nos a bailar sob as águas de refrigério. Nossa pele ressecada padece de restauração, e esse é o momento da verdade. Vem conhecê-la. Vem me amar. Estou acordado. Sem você nada seria...

A lua no céu lembra-me da minha solidão, já são 23:00, e esse dia encerra-se. Você não está aqui. E eu, confesso que, as vezes quero ir, mas também quero ficar. As folhas secas lá fora chamam-me a caminhar. No entanto, refugio-me em mim. Deixo-me nessa estação, sem fechar as portas e janelas. Porém, não sei onde estou, vai ver que é assim mesmo, e vai ser assim para sempre. Você me deixou sentindo tanto frio nesse outono, estava acostumada a sua voz, com teu rosto e teu olhar, e quando não estás aqui sinto medo de mim mesmo, meu espírito voa longe, vai com a paisagem. E o mundo passa a ser seu...
Mas meu amor passou...


[Esse foi o meu diário de sensações destas estações, ambas inspiradas nas harmonias e melodias do CD As quatro estações da banda Legião Urbana, com a presença das letras e sentires de lá]

Que tal sentir a inspiração nascida de 4 mulheres. Suas emoções. Quereres. Olhares...

Vambora?

16 comentários:

  1. A cada Dia devemos renovar
    nossas esperanças
    multiplicar nossa fé mesmo que
    nos sentimos cansados.
    A esperança é uma flor que nasce,,
    Uma estrela que brilha
    e ilumina nosso coração.
    A fé e a esperança na vida seguem
    de mãos dadas.
    Essa é a semana que desejo para você,,
    Uma semana de paz e renovação que tanto
    espera.
    Bjs na alma com carinho,Evanir..

    ResponderExcluir
  2. Realmente cada dia é uma história temporal
    Com garoas, ventos e o sol que ninguém espevava...

    ResponderExcluir
  3. O bom do frio de inverno é a certeza que voltará a ser verão... mais cedo ou mais tarde...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. Querida amiga!
    Vim te ler e vesitar para te deixar um grande beijo e desejar uma semana feliz. Muito bom este texto!

    ResponderExcluir
  5. Cada dia de uma estação tem seus momentos.Gosto de todas estações. Toda elas me trás uma beleza muito especial. Mais o inverno me inspira mais.Deixo um beijo grande e desejo de um ótimo final de semana. Abraço!
    Smareis

    ResponderExcluir
  6. Muito bom eesse texto, um pouco triste...
    Gostei muito.
    Bj

    ResponderExcluir
  7. querida amiga,
    a solidão como estação do ano é provavelmente a forma mais verosímil de nos definirmos. admirável o ciclo poético do ser onde até a noite suspira por sorvete e brinca com bolas de sabão.
    beijinho!

    ResponderExcluir
  8. Belo texto, grande inspiração, pois é assim que as estações fazem ao nosso coração, ela nos renova, nos mantem aconchegado em silêncio, apreciando o que virá, entre flores e tempestades vamos nos alicercando e amanhã admirar tudo novamente, enquanto vento balança pra lá e pra cá... cada estação tem suas características, sua beleza, é um ciclo vicioso... nos acostumados e sentimos falta quando algo muda...
    uma linda quarta feira pra ti... bjs calorosos Gio

    ResponderExcluir
  9. Melancólico mas muito lindo e sobretudo, bem inspirado, texto.Sempre consegues emocionar.beijos,chica

    ResponderExcluir
  10. cada dia um novo dia...cada qual com suas particularidades...

    beijos querida!

    Bia

    ResponderExcluir
  11. Um barco parado no cais de espera
    Amarras soltas do frio ferro
    Uma gaivota adormeceu sem penas
    Uma criança chora no meio do aterro

    Cheio de penas amarro a alma
    Uma saudade arrocha meu peito
    Sou um caçador de nuvens breves
    Um romântico sem ponta de jeito

    Um barco de papel perdido do norte
    Roseira plantada num campo de pedras nuas
    Uma casa perdida da sua cidade
    Um labirinto feito de mil e muitas ruas


    Doce beijo

    ResponderExcluir
  12. estações


    des
    maio
    um rio de pedras
    que atormenta ornamenta
    minha alma de lesma a mesma
    a esmo estou só sem dó ou pó eu mesmo
    desvario onde várias acácias
    em silêncio sob uma chuva
    miúda de maio
    jazem

    já não há
    mais flores ou cores
    entre os ramos pois é maio
    um arrepio de frio um pio de pássaro
    um espaço vazio entre um passo ao abismo
    o istmo passado o ninho esfarrapado
    o arame farpado do meu coração
    a cor do céu em combustão
    a flor-de-maio
    é fria

    caio
    no labirinto
    do poço onde sinto e ouço
    estrias n'água minhas pálpebras
    vazias estão as estrelas e são elas entre
    os elos destes dédalos os halos
    são tão belos nos cabelos
    nos capins carmins
    odor de jasmim
    em mim


    soletro
    o nome árido
    desventro o vento úmido
    onde as letras são escarlates escritas
    como um fio de lâmina explícita
    a escorrer um rio que cresce
    e ainda nem chegamos
    a ver o arco-íris
    em maio

    é frio
    e mais que
    todos frios outonais
    escuto omissos risos
    dentro em mim solertes segredos
    sentidos flertes urdidos nós de sais
    e vais assim mesmo de soslaio
    sem pedir teu perdão
    pois não é maio
    é abril

    ResponderExcluir
  13. Fico encantada com a forma que escreve. (:
    No inicio quando falou de 4 estações em dia lembrei de Curitiba, dizem que lá é assim. Gosto muito de Legião Urbana, houve uma época que ouvia mais, mas ainda hoje gosto.

    Lindo texto.

    Bisous.

    ResponderExcluir
  14. Eu não comentei antes porque não podia. hehehehehe
    Mas adorei sua dança do dia. Uma delícia singular... Eu sempre digo que temos todos quatro estações. O dia também. As horas também. Enfim, essa dança é parte daquilo que somos, não é verdade?

    bacio

    ResponderExcluir
  15. Obrigada, Evanir!

    Marcelo, tenho essa sensação constantemente! hehe

    Dani, também há a certeza de um vinho e a companhia dos amigos, o chocolate quente e um abraço acolhedor! XD

    Ei, José, obrigada!

    Smareis, sempre preferi outono e inverno, mas tenho aprendido a apreciar todas!
    Obrigada pela companhia!

    Bemsei, minha melancolia é quase eterna. hehe

    Jorge, o bailar que criamos ao ritmo da solidão pode possuir contornos de beleza.

    Giovanna, nossos sentidos poderiam sempre estar sensíveis para isso, né!?

    Chica, obrigada pela percepção!

    Obrigada, Fernada!

    Bia, sempre assim...

    Profeta, adorei a parte de caçador de nuvens breves, principalmente por estar a falar acerca da saudade, trouxe-me presença dos de longe.
    Obrigada!

    Luiz, assim são as estações desenhando em nós seus contornos e vice-versa.

    Luana, já ouvi mais, hoje nem tanto, mas sempre nem tão distante deles. hehe

    Sabe que um elogio seu bate aqui dentro e pincela a atmosfera com cores incríveis, né!?
    Tenho essa mesma sensação acerca do todo citado por você, mas as vezes, isso me enlouquece. É uma apreenção muito grande. Como diz uma amiga, sou sensível ao extremo. hehe

    ResponderExcluir