Atitude do Pensar

Atitude do Pensar

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Entre ser Radical Chic e os cacos

Para Heat:


Para mim:
[Pra esquentar o frio que chegou de repente, nesta manhã de segunda]

APENAS CACOS OU OBRA DE ARTEO dia de hoje segue com cores nostálgicas e sons que doem aqui dentro. De repente, sinto que a memória ainda controla. E acima desse sentir, há o saber; a certeza de que ela ainda reproduz, não o amor ou desamor, mas os medos. As falhas. As expectativas. Enxergo algo que não agrada aos meus olhos e menos ainda a racionalidade: fragilidade. E dessa vez, o frio que permeia a atmosfera lá fora, faz-se presente. Meus pés descalsos, sentem o frio que fica registrado sob o solo, mas são os cacos que os impedem de ir. E enquanto minha pele seca carece de hidrantes, minha alma diz-se perdida - o que espero que seja somente por instantes. Porém, também constato que estar pronto não é a solução. Que há momentos de limitação. De espera. De construção. Envolvida pela atmosfera do medo, percebo um que fala mais alto. E é este mesmo medo que me motiva a correr o risco de seguir em frente. Pois para o amor não há fórmula, referência, mas sim, experiência. Portanto, sigo. Por vezes com a visão embassada, mas os ouvidos atentos. Em outras, avistando meu lindo jardim de girassóis, mas inundada do silêncio. Nesse momento, embalada ao som dele, um achado lá no blog do querido poeta, Jorge.

14 comentários:

  1. Tu não existe!
    auehuaehuaheuaheae

    ResponderExcluir
  2. ooops! meninos mais novos são bem legais! rsrsrs

    ResponderExcluir
  3. também me sinto assim, como se os largos passos ao mesmo tempo que me provocassem adrenalina me trouxessem medo do abismo que vou criando...

    ResponderExcluir
  4. eu gosto tanto da radical chic! Muito mesmo. E gosto de vir aqui e sentir você, suas palavras tão bonitas, cristais onde os sentimentos se fazem mil cores.

    ResponderExcluir
  5. Amiga, bela crônica, retratando o espírito , esse elemento o qual muita gente tenta amordaçar, fazendo com que ele adormeça e não se manifeste.
    Um grade abraço. Desejo-te uma linda semana.

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde

    Passando pra deixar um grande beijo e desejar uma semana linda, cheia de paz e muita felicidade.

    Ani
    http://cristalssp.blogsopot.com

    ResponderExcluir
  7. Para o amor existe a vida, beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  8. Bonito seus escritos, querida !
    seu blog é de boa qualidade.
    permita-me segui-lo.

    um beijo !

    ResponderExcluir
  9. Me dividi em cacos pra você juntar...
    *;*

    ResponderExcluir
  10. Às vezes, lendo suas palavras, sinto uma familiariedade impossível por vc ^^
    Entendo bem qual a sensação das cores nostálgicas de uma memória controlada. Não sei se é seu caso, mas às vezes parece que sempre que juntamos os cacos em um saco e o amarramos bem, o deixamos no pé da porta, ao invés de levá-lo logo para fora de casa. Tomamos um banho para sintirmos q o trabalho está terminado e quando passamos pela sala novamente, sobre um pretexto qualquer de dar só mais uma olhada pra ver se não estamos jogando nada importante em meio aos cacos, reabrimos o saco, espalhando tudo cuidadosamente no chão, pensando ter o controle total da situação, nos cortamos novamente. Entre o sangue, a raiva e a dor teremos que juntar tudo novamente, por em outro saco jurando para nós mesmas q dessa vez o saco vai direto p/ a lata de lixo.

    Espero que dessa vez não se cortes entre memórias, melodias e poemas.

    Beijos. Boa semana.

    ResponderExcluir
  11. "Estar pronto não é a solução"

    Lindo!
    Adorei o blog.

    ResponderExcluir
  12. Meu comentário tem a ver com o primeiro trocadilho... a gente cai na nossa própria armadilha, essa que é a verdade...

    ResponderExcluir
  13. Heat, sozinhas, mas ao som de muitas gargalhadas, né...hehe

    Maggie, não gosto muito de meninos novos, ams sempre há exceções.XD

    Nossa Débora, enfrentar os abismos que surgem já é difícil, quanto mais o que surgem de nossa própria criação...

    Lu, as cores nem sempre se fazem percebidas, mas há sorrisos e olhares que nos lembram delas. Como o seu!

    Dilmar, obrigada pela companhia nessa caminhada. Daqui, mesmo quanto há breves momentos de tentativa de prisão ao espírito, no final, a liberdade vence.

    Andressa, o jardim da Jane (Dick e Jane - filme) também!

    Oi, Ani. Obrigada!

    Lisette, e vice-verso.

    Obrigada, Moisés (possui o nome de alguém bem especial por aqui!). Seja bem vindo!

    Que fofo, a verdade nua e crua. Vamos juntos fazer uma obra de arte então...hehe

    Thel, a sensação é parecida, mas não intenciono em jogar no lixo. Gosto da memória, gosto de saber-me enquanto parte delas. A dor surge é da falta de cura. Portanto, o desejo é: Tê-las em mim, mas que estas percam o poder e soberania.

    Camila, adorei vc aqui.

    Ai, Cris...será? Vou pensar sobre isso...

    ResponderExcluir