Atitude do Pensar

Atitude do Pensar

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Apenas uma vez ou mais uma vez



ONCE

Enquanto corria pela praça da Liberdade ontem à noite, fui refletindo em como nós; humanos, somos incríveis em nosso forma de juntar todos os cacos e transformá-los em uma linda obra de arte, reconstruindo assim nossas vidas. Bem, segundo Lya Luft, viver é transformar-se, ou ao menos deveria ser "até o último pensamento e o derradeiro olhar - transformar-se". Mas não foi apenas enquanto corria que ia adentrando nesse universo. Em cada leitura do livro Perdas e ganhos da autoria de Lya, entre lágrimas, arrepios e cura tenho me empenhado em abrir e fechar portas. O livro tem me surpreendido, e o impacto que tem causado, é daqueles que podem render uma nova página da minha vida.
Mas enquanto corria, lembrei-me do filme Once. E ao lembra-me iniciei um processo de pensar nos meus desamores, temores, perdas e novas caminhadas. Em onde exatamente me encontro nesse caminho. Em quem sou a essa altura do tempo. Enfim, esse pensamento permaneceu ao longo da noite e hoje, quando sentei em frente ao computador, fui consumida por uma vontade de ouvir a trilha sonora do filme. Once é uma produção independente, sem a presença de grandes atores (inclusive, os principais nem atores são, e sim, músicos) e narra a história de duas pessoas desconhecidas que são unidas pela música e pelo desejo de recomeçar. Podemos ver uma belíssima fotografia da cidade de Dublin, na Irlanda e ouvir uma das trilhas sonoras mais bonitas que já tive o prazer de vislumbrar. Tudo começa no encontro entre o personagem vivido pelo músico Glen Hansard e a musicista Markéta. Glen trabalha na loja do pai e em horas vagas toca nas ruas. Em um desses momentos, conhece Markéta, que vende rosas pela rua como forma de sustentar sua família tcheca. Envolvendo amizade, amor, paisagens fantásticas e boa música, o filme me lembra exatamente dessa nossa força em superar dores e lutar pelo o que acreditamos. Daqui, ao som de muito folk e melancolia, fica mais uma dica. De livro, filme e música.

19 comentários:

  1. Tudo deve ser mesmo muito interessante: filme, música e livro.
    Bonito post!

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. já li este livro e simplesmente adorei...eu sou um verdadeiro mosaico...

    beijos minha querida!

    Bia
    OLHAR DENTRO DOS OLHOS

    ResponderExcluir
  3. Esse livro é muito legal mesmo! Filme não vi...beijo,lindo fds,chica

    ResponderExcluir
  4. O livro eu li tempos atrás, nem lembro mais, tenho ele aqui. O filme, ó que sacrilégio: não conheço!

    ResponderExcluir
  5. Keila,

    Confesso envergonhada que não li o livro, nem vi o filme.
    Mas só de estar aqui vendo o que vi, vou correr pra ler!

    Um beijo minha flor!

    ResponderExcluir
  6. Li varias vezes e gostei muitíssimo. nem sempre gosto de ver filme depois ler os livros, tenho certa resistência, este filme eu vi e adorei...

    beijo querida

    ResponderExcluir
  7. quem sou nesta altura do tempo? sou muito do que gostaria de ser, mas ainda me sinto longe do que pretendo ser, talvez sejamos construção, e ser qualquer linha nos limitaria a permanência, por isso prefiro dizer que estou de alguma forma, pra logo em seguida, estar de outra.

    ResponderExcluir
  8. Estou com o livro da Lya sobre a mesa, mas os meus rascunhos ainda não permitiram dedicar-me a essa leitura. Eu gosto do estilo de escrita dela, sou simpática as palavras dessa autora.
    Então quer dizer que gosta de correr, eu gosto de caminhar em ritmo lento e com os meus pensamentos voando pelos cantos, enquanto meu olhar absorve tudo a minha volta...


    bacio

    ResponderExcluir
  9. Belíssima música e ótimo filme.
    E sempre e mais uma vez reinicimaos tudo em busca da felicidade, mesmo sabendo que podemos quebrar a cara.

    Beijo

    ResponderExcluir
  10. como sempre otimo texto seu blog é d+ parabéns
    tenho selinhos no blog pode pegar,
    e amanhã sai mais um selinho oficial do blog em comemoração, as 6 meses do meu bebe, passa lá
    beijinhos colloridos

    ResponderExcluir
  11. Adoro o cinema europeu.
    Obrigada pela dica.

    Um beijo!

    http://zapatariabr.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. Muito legal o blog.


    http://blogdadanimatheus.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Fiquei muito feliz em encontrar este teu blog. Gostei muito, adorei todos os textos que li !!!

    Voltarei muitas outras vezes !!

    ResponderExcluir
  14. Bem... não li, nem vi mas adorei a dica!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  15. Olá, também fiquei bastante interessado em ler e ver o filme. Já estou buscando.
    Alias, gostei por demais de seu blog e já estou seguindo.
    Caso queira seguir o meu, fique a vontade.

    luizmageste2m.blogspot.com

    Obrigado
    Abraços

    ResponderExcluir
  16. To bebada, triste, mas achei linda essa sua reflexão.

    Conta?

    ResponderExcluir
  17. Assisti esse filme e lembro me emocionava a cada cena... inclusive tenho salvo, nao tive coragem de deletar!
    Deixo esse trechinho de Lya pra você, acho demais:

    “A vida é maravilhosa, mesmo quando dolorida. Eu gostaria que na correria da época atual a gente pudesse se permitir, criar, uma pequena ilha de contemplação, de autocontemplação, de onde se pudesse ver melhor todas as coisas: com mais generosidade, mais otimismo, mais respeito, mais silêncio, mais prazer. Mais senso da própria dignidade, não importando idade, dinheiro, cor, posição, crença. Não importando nada."


    ResponderExcluir
  18. Olá Roderick, é lindo sim. Principalmente pela grandeza vista numa produção independente, onde não s etem grandes atores, mas sim grandes personagens.

    Bia, penso que a Lya Luft contribue para nos lembrar desse ser mosaico que habita em nós, essa pedras que nos tornam únicos.

    Chica, esse livro foi um presente da vida.hehe
    Um beijo

    Diego, acho que vai gostar do filme.

    Sil, então também terei vergonha, pois foi meu primeiro contato mais profundo com Lya, pois lia somente algumas crônicas.
    Um beijo

    Nina, te entendo quanto a filmes e livros, mas um me surpreendeu: O pianista. O filme ficou pau a pau com as páginas.

    Débora, acreito tanto no que disse que agora defendo minhas várias manifestações...hehe

    Lu, o que mais me encanta na Lya é a forma clara e profunda de seus textos. E como trata de assuntos tão diversos, complexos, mas ao mesmo tempo presente na vida de todos.
    Olha, o caminhar me apetece. E muito. Sempre faço isso quando preciso me conectar com algo desconhecido ou distante. E aqui, na terra das Minas Gerais, anda-se muito, já ouviu falar do ali? Mineiro é assim, o ali é longe, mas pra ele é tão prazeroso andar que tudo é ali...

    Long Haired, não revi o mesmo, mas a trilha está sempre presente.
    Bom filme.

    Blue, querido.
    A vida é recomeçar. Sempre. Até porque cada dia é novo. Único.
    Beijo

    Florzinha (Fabby)!!! Parabéns!!!!!!!!!
    Brigadinha.
    Um beijo

    Zapataria, também gosto um tantão do cinema Europeu. Os que me pegaram primeiro, foram os franceses. Depois deles iniciei uma viagem pelo mundo...

    Oi, Dani.
    Obrigada pela visita.
    Um beijo

    Leandro, muito obrigada. Fica a vontade.

    Dani, ambos são ótimos. E trazem sensações incríveis em nosso ser.
    Bj

    Luiz, já fui lá. Tenho adoro as músicas que tenho encontrado por lá.

    Heat: bêbada e triste combina comigo. Semana passada sai fugida da casa de amigos, pois essa combinação não trouxeram coisas boas.

    Cris, não tenho ele em casa. Assisti no cinema com meu ex...tenho somente a trilha.
    Obrigada pelo trecho, me fez lembrar certa Borboleta nos olhos e seu amor pela vida.
    Um beijo, querida.

    ResponderExcluir