Atitude do Pensar

Atitude do Pensar

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Cultura elitizada

Iniciei os primeiros rascunhos desta postagem no final do mês passado, mas a correria cotidiana tem me aprisionado e, portanto, falta-me tempo para dar o devido valor ao assunto. No entanto, ao ler o artigo Cultura de crises ou crise de cultura? do Doutorando Rafael, acabei me rendendo a esta velha discussão que permeia minhas reflexões: Cultura x Acesso.

Muitos teóricos defendem que a cultura e a educação são os pilares da democracia, igualdade, cidadania e emancipação. Contudo, temos alguns paradigmas como Cuba, que nos revela que há uma necessidade de estender estes à outros itens de direito, como o acesso a bens e serviços de qualidade, dentro do âmbito da saúde, propriedade privada, alimentação e afins.

Porém, como este assunto é amplo minha intenção aqui não é trazer conclusões, mas sim, reflexões. Nesse sentido, não irei discorrer uma comparação mais intríseca - não nesse momento. Entretanto, dentro desse universo, várias críticas perspassam minha mente, tais como o que é acesso à cultura - que em si já é tema para grandes discussões.

Outro ponto sempre presente em minhas discussões acerca da cultura, situa-se em qual é a participação da população na criação das políticas públicas culturais e qual a porcentagem que o governo deve reservar para a cultura.

Um bom exemplo da problemática existente nesse ponto é o que tem ocorrido atualmente em Belo Horizonte: Chico Buarque veio para lançar seu novo CD - o que deveria ter me alegrado sublimamente, contudo, sua vinda representou apenas uma cultura popular elitizada, uma vez que o ingresso custa R$290,00. Sendo assim, somente a elite econômica participará. Por outro lado, neste mesmo momento, recebemos a informação de que o governo mineiro diminuiu 18% da verba para a cultura. Restando-me recordar-me das produções intelectuais brasileiras, nascidas de uma elite que possui educação e cultura de qualidade, uma elite que tem acesso ao que se autodenomina música popular brasileira.

Nisso, surgiram algumas perguntas: Que elite é essa? Que música popular é essa? São respostas que não possuo, mas me encaminham em rumo a outras reflexões. Como por exemplo, na defesa de alguns pela popularização da cultura - o que temos observado em campanhas do Estado, onde este disponibiliza o serviço por preço mais acessível. O que acredito ser válido, porém, é apenas um início, um paliativo, pois o preço mais acessível contribui principalmente para os que já consomem cultura, ou seja, estes, passam a consumir mais, e os que não consomem, não se achegam a ela.

Mas afinal, é importante lembrar que acesso está além da disponibilização da cultura. Está nos mecanismos que nos permite chegar até ela. Dentro disso, me questiono acerca do que nos impulssiona a participação. Outro item que encabeça essa discussão, encontra-se em o que faremos com essa disponibilização, com esse conhecimento da cultura. Em suma, o que ela produzirá em nós e por meio de nós.

Em seu artigo, Rafael defende a necessidade de uma sociedade de cultura que se contraponha à sociedade de consumo, o que sou a favor. Já Stuart Hall defende a necessidade da utilização dos mecanismos já existentes, como a cultura popular (futebol, carnaval, maracatu e afins) para a difusão de novas discussões. E o principal, como um canal de emancipação e cidania. O que é de um valor imensurável.

Sendo assim, qual será o primeiro passo?

Desconstruir a cultura elitizada?

Como?

Por meio da participação popular frente a construção das políticas de cultura?

Com certeza.

Mas como o povo se achegará a cultura?

Quem o levará?

O Estado?

Muito pouco provável.

O próprio povo?

Talvez.

E como sugeri no início, que a discussão permaneça.


[perdoem-me pelo sumiço, espero que ano que vem as coisas se regularizem]

6 comentários:

  1. o caso é bem complexo.
    veja o caso dos editais do minc, os artistas consagrados, que tem gravadora e publico são contemplados com verbas extraodinarias e ainda cobram ingressos carissimos para nós pobres mortais...

    ResponderExcluir
  2. Querida amiga Keila, realmente é um problema de difícil solução. A distancia que separa o artista popular consagrado do povo é muito grande. Acho que tão cedo a situação não muda, apesar de muita gente lutar para diminuir tal distancia.
    Um abração. Tenhas uma linda semana.

    ResponderExcluir
  3. salve, keila.

    vivemos numa civilização de divisões afetivas,
    econômicas, de saberes, e tantas outras. nesse contexto, é o diabo pra si e deus pra ninguém.

    dê notícias quando estiver aqui. vamos nos ver.

    lancei o romance aí, mas fui um divulgador
    incompetente, por isso não ficou sabendo.
    seria ótimo que tivesse ido.

    b
    delamancha

    ResponderExcluir
  4. Acesso a cultura todos nós temos, a questão está no que cada um de nós considera como sendo "cultura".
    Eu por exemplo, sempre li e leio muito, a maioria eram livros de biblioteca. Mas ouvi muitas pessoas dizendo que o livro não está acessível. Ok. Cada um tem a sua opinião formada.
    Ir ao teatro, ao cinema. Enfim, o que é cultura?
    E quando ao preço que se paga, isso se deve ao fato de que os artistas de hoje querem o que os artistas de ontem não buscavam: lucro. Ganha-se muito (alguns) - mas a arte já não é mais a mesma. Está aí o senhor Chico Buarque para provar tal argumento. Eu pagaria esse valor para ir ao show do Chico? Não. E nem é pelo valor, mas eu prefiro ouví-lo em casa com o controle remoto em mãos. Ele já não me agrada tanto quanto antes.
    Enfim, também é cultura ligar a televisão e assistir tudo que lá se exibe. E aí temos o controle remoto e as escolhas. Mas os intelectuais criticam a cultura popular. Lembrando que Shakespeare era um artista popular = cultura de massa. Sua condição só mudou depois que a Rainha da Inglaterra foi assistir suas peças.
    Enfim, cultura é uma palavra curiosa, que depende de cada um e dos valores que agregamos no final de tudo... rs

    bacio

    Ps. estava com saudades de suas linhas.

    ResponderExcluir
  5. Passei pra te desejar um maravilhoso mês de Novembro e para agradecer todas as vezes que você carinhosamente esteve visitando meu blog.
    Espero que volte em breve...

    Beijos
    Ani

    http://cristalssp.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Cultura é relativa e eu nem gosto do Chico hehehe

    ResponderExcluir